A verdadeira história do bebé abandonado no lixo – Parte 3 (o falso sem-abrigo)

A verdadeira história do bebé abandonado no lixo – Parte 3 (o falso sem-abrigo)

.

O caso do bebé encontrado no lixo é uma operação mediática das autoridades de saúde com a conivência das autoridades judiciais para obrigar todas as mulheres grávidas a ter os seus filhos nos hospitais e a serem violadas com dispositivos electrónicos RFID implantados no corpo das mulheres e dos seus bebés em nome da prevenção ao abandono e usurpação dos Direitos Maternos para que seja o Estado e as autoridades de saúde a mandar no corpo e na vida das mulheres e dos seus filhos em nome da segurança!

O INEM, a Direção-Geral da Saúde e a Polícia Judiciária que são grupos terroristas de crime altamente organizado, querem-nos convencer através de fake news divulgadas pelos órgãos de comunicação social, que as mulheres grávidas que têm os seus filhos fora dos hospitais são mentirosas, doentes e criminosas que escondem a sua gravidez dos namorados, família e das autoridades médicas que querem obter poder absoluto sobre o corpo e a vida de todas as mulheres e crianças!

A verdadeira história do bebé abandonado no lixo (vídeo completo da investigação forense)

Orçamento do Estado 2019 financia a Agenda 2030 Transhumanista!

Flash Memory and Cloud Computing is a Trojan Horse and a Weapon of Mass Destruction!

Marcelo Rebelo de Sousa usa os sem abrigo para servir o diabo! (Republicado porque foi censurado!)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.