A Terra é plana e cúbica e a Lua é o centro do universo!

O heliocentrismo é uma fraude das autoridades religiosas e civis que nos controlam com um tempo falso calendarizado e cronometrado com base num falso posicionamento e falso movimento dos astros! Eles inventaram um falso tempo para nos manter mentalmente presos numa linha temporal e dessincronizados e separados mentalmente de todo o mundo e do cosmo como vão perceber! O calendário gregoriano é um calendário solar mas todos os astros são atraídos por um magneto e andam à volta dele porque é esse magneto que mantém os astros em órbita e alinhados e posicionados uns em relação aos outros com um firmamento! Esse magneto é a lua!

A Lua é um magneto, um reactor nuclear e um transducer que converte energia de uma forma para outra, que converte a energia de espectros elevados de astros como o Sol (que é um portal) para energia no espectro electromagnético para que seja possível a materialização da consciência do espírito na Terra e por isso é que dizem que a Lua é responsável pelos ciclos de reencarnação porque é a Lua que faz essa passagem de energia atómica para energia física pelo magnetismo da água que é o elemento matriz porque contém a programação do espírito não criado proveniente do Sol e de outros astros e que é convertida em energia física pela Lua.

A Terra ou é cúbica ou tem a forma que os terraplanistas defendem, a forma de uma abóbada, uma cúpula, como um seio de uma mulher! E não há provas nenhumas que a Lua seja uma esfera, muitos dizem que é um disco! Relembro-vos que os magnetos mais fortes que existem têm a forma de disco porque a área dos pólos é maior em forma de disco aumentando assim a sua força de atração. Por causa da superfície ampla e plana, os magnetos de disco têm uma grande área de pólo tornando-os ímãs fortes e eficazes.

Se o planeta é um globo como é possível que a lua seja muito grande ao nascer da noite e durante o dia continuamos a vê-la mas muito mais pequena e distante da terra? Se quando é dia num lado do globo e do outro é noite então não deveríamos ver a lua durante o dia! Ou existem várias luas ou então a Terra não é um globo, é um cubo, ou um cubo com as faces em forma de abóbadas na sua superfície. E por isso é que quando vemos a lua distante durante o dia na face do cubo onde nos encontramos, é porque o cubo tem o eixo inclinado e a lua se distanciou para um dos seus vértices começando a iluminar a outra face do cubo e para quem estiver nessa face vai ver a lua a nascer mais próximo de si dependendo da posição em que se encontra em relação a um dos vértices do cubo! E como a face do cubo é em forma de abóbada (cúpula) por causa da superfície terrestre, as fases da lua mostram-nos isso, a sombra da cúpula na lua quando está em fase crescente e minguante! Por isso é que há zonas em que a lua é enorme e noutras é muito pequena.

A Terra não é um globo!

Todos os astros andam à volta da Lua e da Terra, porque a lua é um magneto que mantém todos os astros em órbita à volta dela! O Heliocentrismo é uma fraude porque o Sol não é o centro do Sistema Solar, é a Lua e a Terra! Não estou a dizer com isto que o Sol é menos importante do que a Lua, estou a dizer que os calendários solares e o heliocentrismo simplesmente estão errados, são uma fraude, é tudo mentira porque o movimento dos astros não é o movimento descrito pelo heliocentrismo que pretende atribuir ao sol uma espécie de divindade em que tudo anda à volta dele, é o culto ao poder masculino e à luz da matéria, e por isso é que as religiões prestam culto ao Sol, à luz da matéria, e demonizam as mulheres, o feminino, que prestam culto à Lua e às forças espirituais estigmatizando-as de bruxas para que as pessoas não descubram a verdade, que vivemos numa grande mentira e engano que tem sido encoberto e mantido até aos dias de hoje por todas as autoridades que sabem disto tudo mas não querem que mais ninguém saiba porque senão o sistema dessas bestas cai em descrédito como já devia ter caído há muito tempo porque todo o mundo é uma grande mentira gerida por mentirosos patológicos compulsivos e doentes psiquiátricos, as autoridades e todos os grupos e seitas que estão a encobrir tudo isto!

Ancient philosophies symbolically tied the moon, women, and nature together in one concept: the moon is the center of the universe; women are the center of the society.”

O que o Patriarcado (o homem) fez foi apoderar-se do poder magnético da lua e da mulher, do feminino! O homem usa o magnetismo da lua para controlar a água que é o elemento matriz pois dessa forma controla todos os outros elementos e controla a força feminina que está associada à água (elemento matriz) usando essa força feminina a seu proveito, é desta forma que o homem controla o fluxo do dinheiro e quem controla o dinheiro controla todo o mundo!

A Lua, ou as Luas, são magnetos responsáveis pelo electromagnetismo e gravidade nos sistemas planetários, por manter os astros firmes e em órbita! O Sol tem uma órbita que é gerada pela influência magnética que a Lua e a Terra exerce nos astros à sua volta! A Terra anda à volta do Sol (heliocentrismo) ou o sol é que anda à volta da Terra (geocentrismo) ou da Lua, ou de ambos? É tudo mentira o que dizem do sistema solar, foi tudo invertido para prestarmos culto ao patriarcado e ao poder masculino dos adoradores do Sol, o falo, a força masculina! Calendários solares como o gregoriano são uma fraude!!! E por isso é que a igreja Ortodoxa fez uma aliança com o Vaticano, com a igreja católica, porque eles são todos adoradores do falo, do poder masculino! Eles estão todos juntos a conspirar contra o Matriarcado que é o único e legítimo sistema de governação mais antigo do Mundo, autoridade exercida pelas mulheres!

Os relógios são uma fraude porque o tempo nos relógios é cronometrado em função do sol e não da Lua nem da Terra (Time Cube) como deveria ser porque o tempo só existe na dimensão física, porque tempo é magnetismo, é água em movimento, e essa força magnética que define o tempo é exercida pela Lua e pela própria Terra e não apenas pelo sol como os bêbados gregorianos heliocentristas fizeram com o calendário gregoriano para nos manter presos a uma linha temporal e a prestar culto à luz da matéria representada pelo falo, o poder masculino e os adoradores do sol que usam a lua a seu proveito!

O tempo normal de gestação tem de ser medido em meses lunares e não em semanas do calendário gregoriano porque isso não existe na natureza porque esse tempo calendarizado é falso, é uma fabricação do homem! O tempo de uma gestação tem de ser medido em meses lunares porque a lua é que exerce influência na gestação, nas águas, no desenvolvimento do feto e no parto! Uma gestação natural e saudável corresponde a pelo menos 10 a 11 ou 13 meses lunares de 4 semanas cada mês, e não os nove meses do calendário dos bêbados gregorianos! Um bebé de 9 meses ou menos de gestação é um bebé prematuro! O tempo de uma gestação tem de ser medido em meses e fases lunares entre 40 a 52 semanas (13 meses lunares) e não os 9 meses do calendário gregoriano patriarcal que é completamente anti-natura! Isto tem de ser ser reposto na sociedade mas o homem não o faz e sabem porquê? Porque isso implicaria alterar toda a sociedade porque toda a sociedade funciona com base no calendário gregoriano e teriam que atribuir poder e mais direitos às mulheres!

A fundação da Terra é cúbica porque todas as formas começam num cubo e só depois é que são arredondadas com a alquimia que transmuta um corpo físico para um corpo espiritual através da fusão dos elementos! Por isso é que o símbolo da Terra é um cubo! Porque é que vocês acham que os muçulmanos idolatram e andam à volta de um Cubo (Kaaba)? Muito provavelmente nem eles sabem o que estão a fazer porque aquilo é um ritual, mas o cubo é a base geométrica da matéria e é o que forma o espaço, o tempo, a dimensão física no planeta Terra! Por isso é que a estrutura cristalina do carbono é cúbica! É um diamante cúbico!

“The Ka’baa, a perfectly cube black building in Mecca, Saudi Arabia and which is a holy place in Islam and is a qibla or direction for all Muslims whilst they are offering their daily prayers is a blue print of the Earth. The Ka’baa is a representation of the dimentions of the Earth. Furthermore, the Hatim on the right hand side is a plan of the sky, undoubtedly making clear that the sky is indeed a solid structure, the firmament as described in the Bible. It is built at the epicentre of the Earth by Prophet Ibrahim and his eldest son Ismail (Peace and Blessings be upon them both). It is was a direct order from God Almighty Allah Subhana Wa Ta’ala. All believers are ordered to make pilgrimage to the Ka’baa if they are able to and once there part of the ceremony is to circumbvelate the Ka’baa seven times anti-clock wise. The reason for this is to acknowledge the seven Earths in seven heavens, so one circulation per Earth.”Source

O globo terrestre é uma fabricação do Patriarcado para manter as pessoas presas num tempo linear (não cúbico, uma linha de tempo) porque numa esfera não existem faces nem fases diferentes porque uma esfera é uma superfície fechada de tal forma que todos os pontos dela estão à mesma distância de seu centro, ou seja, singularidade! Um organismo central a controlar todos os pontos! Herd mentality, mentalidade de grupo, de rebanho, borg agenda, todas as pessoas se tornam autómatos a pensar e a fazer a mesma coisa obedecendo às ordens de um organismo central!

A esfera pode ser definida como “uma sequência de pontos alinhados em todos os sentidos à mesma distância de um centro comum”. É tida também como um sólido geométrico formado por uma superfície curva contínua, cujos pontos estão equidistantes de um outro fixo e interior, chamado centro; ou seja: é uma superfície fechada de tal forma que todos os pontos dela estão à mesma distância de seu centro; ou ainda: de qualquer ponto de vista de sua superfície, a distância ao centro é a mesma. A esfera pode ser obtida através do movimento de rotação de um semicírculo em torno de seu diâmetro.

É tudo mentira o que nos ensinam nas escolas, nos livros de história, científicos e na comunicação social! Foi tudo manipulado, tudo inventado, e o verdadeiro conhecimento foi-nos ocultado para condicionar e programar a mente das pessoas para a singularidade porque a singularidade precisa de um só tempo, um só deus, uma só religião, um só governo, um só sistema monetário, uma só superfície, uma só genética e uma só forma, o globo terrestre, a globalização dos globalistas!

É impossível implementar e convencer as pessoas a aceitar uma ordem mundial se elas souberem que existem fases e tempos diferentes na Terra porque a Terra é cúbica e o tempo não é linear, existem tempos diferentes em cada face desse cubo, espécies diferentes, forças diferentes, genéticas diferentes, toda a criação é diferente pois não há uma criação igual à outra! Por isso é que existem 4 estações do ano que correspondem às 4 faces do cubo e as duas faces do pólo têm apenas 2 estações (verão e inverno). Se a Terra fosse um globo a mudança de estações passaria despercebida, seria lenta e gradual e não repentina como acontece!

Não existe esfera nenhuma com os pólos achatados, isso é tudo mentira! O globo terrestre é mais uma das grandes fraudes que existe no mundo tal como os terraplanistas defendem e têm razão! O Santos Bonacci não é nenhum maluco por defender a teoria da terra plana, ele descobriu que a terra é plana porque ele estudou tudo isto e muito mais, ele dedicou toda a sua vida a investigar, a estudar e a resgatar conhecimento oculto e perdido no tempo e partilhou esse conhecimento com todo o mundo na Internet, conhecimento que as autoridades religiosas, judiciais e civis não querem que nós saibamos porque senão todo o sistema mundial cai em descrédito porque é uma grande mentira a começar pela própria medição do tempo que é uma fraude, é um crime à escala global que tem implicações na nossa saúde e em todas as áreas de todo o mundo!

E como a Terra é cúbica, um dia não tem apenas 24 horas pois esse é o tempo que demora o sol a nascer e a pôr-se em apenas um lado do cubo! Um dia ou tem 96 horas, 24 horas x 4 faces do cubo, ou tem 144 horas, 24 horas x 6 faces do cubo (a contar com as faces dos pólos). Um dia tem 4 dias não tem apenas 24 horas! Ou seja, 144 dias corresponde aos 6 dias da semana! Uma semana é na realidade um dia! Isto inviabiliza toda a sociedade! Todo o sistema temporal, financeiro e laboral deixa de fazer sentido porque a base de funcionamento de todas as áreas sociais é com base numa semana de 6 dias com 24 horas cada dia! Por isso é que essas bestas inventaram este estratagema para nos controlar com um sistema temporal artificial que nos aprisiona a uma linha temporal!

Eles aceleraram o tempo transformando 1 dia que tem 144 horas numa semana de 6 dias de 24 horas cada dia, eles dividiram um dia que tem 144 horas em 6 dias de 24 horas cada, quando 1 dia tem na realidade 144 horas que corresponde aos 6 dias de 24 horas, a uma semana! O tempo anda muito mais lento do que os relógios!

Se considerarmos um dia como tendo apenas 24 horas ficamos presos numa linha temporal, num ciclo e dentro de um ciclo numa linha temporal tudo é mais rápido porque o espaço-temporal é mais pequeno, além do tempo andar mais depressa se considerarmos um dia como tendo 24 horas, ficamos fechados numa das faces do cubo, num círculo sempre a andar às voltas dele (tempo linear) e ficamos presos nessa face, nesse ciclo, porque nos desligamos das restantes faces e ciclos desconsiderando as restantes faces do tempo, desalinhamo-nos do resto do mundo! É isto que eles fazem para nos separar a todos mentalmente e espiritualmente para nos controlar com um tempo linear presos aos ciclos!

O Dr Gene Ray e os defensores da sua teoria Time Cube estão certos! O tempo é cúbico e um dia não tem 24 horas, tem 96 horas ou 144 horas! E por isso é que eles foram considerados malucos, diagnosticados de doentes mentais e ridicularizados na internet, pois é sempre isso que as elites fazem aos génios que descobrem as verdades que nos ocultam para nos manterem ignorantes e facilmente controlados e mentalmente escravizados!

Time Cube

A comunicação social Portuguesa através do Jornal electrónico Observador publicou este artigo de Fake News a desacreditar a teoria da Terra Plana e a ridicularizar quem estuda esse possibilidade! É muito fácil rejeitar e ridicularizar conhecimento novo que questiona os dogmas científicos estabelecidos na sociedade que não são muito diferentes dos dogmas religiosos porque pelos vistos não podem ser questionados por ninguém que são logo atacados e julgados e condenados em praça pública por gente completamente ignorante que já virou autómato com uma mentalidade de rebanho que nem sequer consegue pensar pela sua própria cabeça!

É o mesmo comportamento que a igreja católica e os seus cruzados romanos fizeram com a cruzada albigense e a santa inquisição contra os Cátaros e Gnósticos porque estes descobriram muita coisa importante que desacreditava por completo o poder patriarcal e as autoridades eclesiásticas e civis daquela altura que são as mesmas autoridades de hoje que não querem que vocês saibam que o mundo é uma grande mentira gerida por mentirosos patológicos e doentes psiquiátricos que querem que essa mentira perdure no tempo para aprisionar mentalmente todas as pessoas ao tempo fabricado deles para controlarem o tempo e a vida de toda a gente, porque eles são psicopatas e doentes mentais que vivem à custa da mentira e por isso é que diagnosticam de doentes mentais todos aqueles que conseguem ver para além do véu e reconhecer a verdadeira face dos mentirosos!

Os fanáticos cientólogos e religiosos (heliocentrismo) que se acreditam que a Terra é uma bola com os pólos achatados são mentirosos e doentes psiquiátricos e devem ser expostos em todo o mundo para que a verdade seja reposta!

Quem encomendou e escreveu esse artigo na comunicação social a desacreditar e ridicularizar as milhões de pessoas em todo o mundo que já sabem que a Terra não é nenhum globo com os pólos achatados, são uns ignorante acéfalos! Se a Terra for plana, que é, ninguém cai borda fora porque todo o Espaço é Água!!! Vejam:

Todos nós respiramos Água, não respiramos apenas oxigénio porque o oxigénio na sua forma elementar é tóxico! E água não é apenas H2O. H2O é um ácido, é óxido de hidrogénio! Água não é H2O, nenhuma água contém apenas hidrogénio e oxigénio! As mentiras estão a cair todas por Água abaixo! Toda a atmosfera é água, é uma bolsa amniótica com centenas de diferentes compostos químicos a maior parte minerais em diferentes estados! As pessoas quando nascem, respiram, alimentam-se e desenvolvem-se dentro de uma bolsa amniótica (xixi, urina, o ouro do sangue, a fonte da vida, o veículo onde o espíritio se manifesta e dá forma e saúde, revitalizando, alimentando e regenerando e animando todo o corpo!) e depois de nascer as pessoas continuam a fazê-lo respirando o ar da atmosfera que é a água e a urina da Terra em estado gasoso e plasmático!

Os fanáticos cientólogos e religiosos querem-nos fazer crer que a Terra é uma bola com os pólos achatados perdida no meio do espaço cheio de Hard Vacuum e que não é sugada por esse vácuo por milagre da seita evangélica da NASA e os seus lacaios da ciência da cientologia com o patrocínio da comunicação social portuguesa! Meus amigos, isto é o que faz demasiada sociabilização e escolaridade, as pessoas tornam-se membros de seitas evangélicas baseadas na evidência científica dogmática!

Mas quem escreveu esse artigo, uma tal de Vera Novais, vai mais longe quando diz: “Mas é um percurso muito solitário — ainda que apareçam casais com filhos, a maioria são homens, brancos, sozinhos e de meia idade.”

Este artigo de fake news passa um atestado de burrice a todas as pessoas que não são brancas porque se só os brancos é que têm a capacidade para compreender a verdade, que a terra não é uma esfera nem nenhum globo, então é porque quem não é branco é um idiota que continua a acreditar na mentira da versão oficial! E nesse sentido o Terry Davis (TempleOS) tem razão em chamar de CIA Nigger Monkeys aos Puppies da CIA porque só um macaco (tenho as minhas dúvidas porque os macacos são inteligentes porque estão conectados com a Mãe Terra) é que se acredita na versão oficial e dogmática de que a Terra é um globo com os pólos achatados como se todos nós fôssemos retardados.

E ela continua a ridicualizar: “Por duas vezes, as experiências feitas pelos terraplanistas mostram exatamente o contrário do que queriam demonstrar — mostraram que a Terra é redonda”.

Os terraplanistas não dizem que a terra não é redonda, dizem que não é esférica, que não é um globo! Redondo não é o mesmo que esférico! Um plano pode ser redondo! A comunicação social mente! A Vera Novais de cara plana e redonda como uma bolacha, mente!

Outra coisa que ela diz é que os terraplanistas não acreditam na existênica de um universo, o que é correcto porque na realidade não existe um só universo, não existe um só verso (universo), existem infinitos universos em todo o espaço onde quer que estejamos porque somos nós próprios que criamos os universos a todo o momento porque um universo é uma projecção de uma consciência e a consciência é água, por isso é que o todo o espaço e toda a matéria é composta por água!

Reparem que quem encomendou e escreveu esse artigo no Observador não foi capaz de provar que a Terra é de facto um globo porque ainda ninguém conseguiu provar inequívocamente que a Terra é um globo porque se o espaço é vazio como os cientistas afirmam e se a ISS (International Space Station) está realmente fora da atmosfera terrestre como eles afirmam, então não é possível capturar imagens porque no espaço não há luz nem ar nenhum! E se fosse possível capturar imagens e filmagens então já teria sido provado de forma irrefutável que a Terra não é um globo e por isso é que eles não mostram imagens nem filmagens verdadeiras porque é tudo mentira e manipulação o que eles dizem e mostram, é tudo fabricação! Eu sei que é difícil conceber a dimensão desta conspiração, mas eles estão-nos a enganar! Nós vivemos numa grande mentira com uma construção mental falsa de como a natureza funciona!

Outra coisa que também desconfio é que a Lua tem luz própria! A única razão de dizerem que a lua é iluminada pela luz solar foi para dar credibilidade à teoria heliocêntrica pagã dos calendários, tempos cronometrados e relógios, solstícios e equinócios! Foi para manter a mentira que a terra é um globo e que a Lua e a Terra andam à volta do Sol (Heliocentrismo).

A Terra não é um globo e o heliocentrismo é uma fraude, essa teoria foi inventada pelos Jesuítas para manter as pessoas presas ao heliocentrismo e aos rituais pagãos (calendários, relógios, tempo cronometrado, equinócios e solstícios) e tem sido mantida até aos dias de hoje! As provas em vídeo de que a Terra não é um globo:

Idade dos porquês:
Bebé: Mãe se a Terra é um globo com os pólos achatados como é que os satélites que orbitam a Terra conseguem comunicar ao mesmo tempo com os 2 hemisférios sem que haja perda de sinal?
Mãe: Come a papa e cala-te! Estás a ficar demasiado inteligente porque andas a mamar demasiado nas minhas tetas! Tenho que te começar a dar o leite pasteurizado dos cientistas e médicos porque esses é que sabem o que é bom para ti porque eles é que têm o sol, o conhecimento, eu sou apenas a Lua, o centro do Universo que eles gostam de chupar e de mamar mas depois dizem que nós mulheres é que temos que ajoelhar para os idolatrar!
Bebé: Esmaga Mãe!

A Terra é um óvulo que está dentro de uma bolsa amniótica (Espaço) dentro de um útero que é toda a galáxia! A Fonte da Criação é Feminina!

Uma outra coisa importante que eu acho que nos estão a ocultar é que a Terra está a passar por um processo de transformação físico relacionado com o campo energético toroidal, algo semelhante a isto: Toroidal polyhedron

We have to change our system in order to survive but you got to learn what the system is!Dr. Gene Ray at Time Cube Lecture at Georgia Tech – April 2005

Life is based upon the imperfection. It’s a perfect imperfection 🙂 Life is imperfection or the oscilation. – Dr. Gene Ray at Time Cube Lecture at Georgia Tech – April 2005

Referências:

Flat Earth British

The Great Tartarian Mud Flood! How they Bury Our Rubbish & Waste in Australia! Zero Recycling!

5 thoughts on “A Terra é plana e cúbica e a Lua é o centro do universo!

  1. CAPÍTULO V
    “Consideremos o universo tridimensional como um mundo de matéria e força, no sentido mais simples e mais elementar dessas palavras. Discutiremos, mais tarde, dimensões de
    ordem superior, novas teorias sobre a matéria, o espaço e o tempo e outras categorias do conhecimento do mundo que a ciência ignora. Agora, é necessário visualizarmos o universo
    sob a forma esquemática do raio de criação do Absoluto à Lua.
    “O “raio de criação” aparece, à primeira vista, como um esquema muito elementar do universo, mas, na realidade, quando o estudamos, torna-se claro que esse simples esquema
    permite coordenar e fazer a síntese de uma porção de concepções do mundo, filosóficas, religiosas e científicas, atualmente em conflito. A idéia do raio de criação pertence
    ao conhecimento antigo e grande número dos ingênuos sistemas geocêntricos que nos são conhecidos eram, na verdade, apenas exposições imperfeitas do raio de criação ou deformações
    dessa idéia, devidas a uma compreensão literal.
    “Observe-se que a idéia do raio de criação e de seu crescimento a partir do Absoluto contradiz algumas teorias modernas, que, aliás, não são, de modo algum, científicas. Consideremos,
    por exemplo, a seqüência: Sol, Terra, Lua. Segundo as concepções habituais, a Lua é um corpo celeste frio e morto, que teria possuído outrora, como a Terra, um fogo interno
    e que, em tempos ainda mais recuados, teria sido uma massa em fusão como o Sol. A Terra, segundo as mesmas concepções, foi outrora como o Sol e também ela se está resfriando
    gradualmente; cedo ou tarde, se tornará uma massa gelada como a Lua. Supõe-se comumente que também o Sol se está resfriando e, a seu tempo, se tornará como a Terra e, mais
    tarde ainda, como a Lua.
    “É preciso observar, naturalmente, que semelhante teoria não tem nenhum direito a ser chamada
    “científica”, no sentido estrito da palavra, porque, na ciência, isto é, em astronomia, ou, mais exatamente, em astrofísica, há grande quantidade de teorias e hipóteses diferentes
    e contraditórias a respeito e nenhuma delas possui base séria. Mas essa teoria é urna das mais difundidas e tornou-se a do homem médio dos tempos modernos no que se refere
    ao mundo em que vivemos.
    “Repito, a idéia do raio de criação e de seu crescimento a partir do Absoluto contradiz, em geral, todas as maneiras de ver de nossos contemporâneos.
    “Segundo essa idéia, a Lua é um planeta que ainda não nasceu; é, por assim dizer, um planeta que está nascendo. Aquece-se progressivamente e, a seu tempo (no caso de um desenvolvimento
    favorável do raio de criação), se tornará como a Terra e terá seu próprio satélite, uma nova lua. Um novo elo terá sido acrescentado à cadeia do raio de criação. A Terra também
    não se resfria pouco a pouco; ao contrário, se aquece e poderá, a seu tempo, tornar-se como o Sol. Observamos um desenvolvimento análogo, por exemplo, no sistema de Júpiter,
    que é um sol para seus satélites.
    “Para resumir tudo o que acaba de ser dito sobre o raio de criação, que desce do mundo 1 até o mundo 96, lembremos que os números pelos quais os mundos são designados indicam
    o número de forças ou de ordens de leis que governam os mundos em questão. No Absoluto, só há uma força e uma só lei — a vontade única e independente do Absoluto. No mundo
    seguinte, há três forças ou três ordens de leis. No subseqüente, seis ordens de leis; no que se segue ainda, doze e assim por diante. Em nosso mundo, isto é, sobre a Terra,
    estamos sujeitos a quarenta e oito ordens de leis, que governam toda a nossa vida. Se vivêssemos na Lua, estaríamos sujeitos a noventa e seis ordens de leis, isto é, nossa
    vida e nossa atividade seriam ainda mais mecânicas e não teríamos as possibilidades que temos agora de escapar à mecanicidade.
    “Como já disse, a vontade do Absoluto só se manifesta no mundo que foi criado imediatamente por ele, dentro de si mesmo, isto é, no mundo 3; a vontade imediata do Absoluto
    alcança o mundo 6 e nele se manifesta apenas sob a forma de leis mecânicas. Mais além, nos mundos 12, 24, 48 e 96, a vontade do Absoluto tem cada vez menos possibilidades
    de se manifestar. Isso significa que, no mundo 3, o Absoluto, de certa forma, cria um plano geral de todo o resto do Universo, o qual, mais adiante, se desenvolve mecanicamente.
    A vontade do Absoluto não pode se manifestar fora desse plano nos mundos seguintes e, quando ali se manifesta de acordo com esse plano, toma a forma de leis mecânicas. Noutros
    termos, se o Absoluto quisesse manifestar sua vontade, digamos, em nosso mundo, em oposição às leis mecânicas às quais este mundo está submetido, teria então que destruir
    todos os mundos intermediários entre ele próprio e o nosso mundo.
    “A idéia de um milagre, no sentido de violação de leis pela vontade que as criou não se opõe apenas ao senso comum, mas a própria idéia de vontade. Um milagre só pode ser
    uma manifestação de certas leis geralmente ignoradas dos homens ou raramente conhecidas. Um milagre é, neste mundo, a manifestação das leis de outro mundo.
    “Sobre a Terra, estamos muito afastados da vontade do Absoluto; estamos separados dela por 48
    ordens de leis mecânicas. Se pudéssemos nos libertar de metade dessas leis, ficaríamos submetidos apenas a 24 ordens de leis, isto é, às leis do mundo planetário e estaríamos
    um degrau mais próximos do Absoluto e de sua Vontade. Se pudéssemos então nos libertar de metade dessas leis, estaríamos submetidos às leis do Sol (doze leis) e, por conseguinte,
    um degrau mais próximo ainda do Absoluto.
    E, se pudéssemos, uma vez mais, nos libertar de metade dessas leis, estaríamos então submetidos às leis do mundo das estrelas e separados apenas por um degrau da vontade imediata
    do Absoluto.
    “Existe, pois, para o homem a possibilidade de se libertar gradualmente das leis mecânicas.
    “O estudo das 48 ordens de leis a que o homem está submetido não pode ser abstrato, como o estudo da astronomia; só há uma maneira de estudá-las; é observá-las em si e conseguir
    libertar-se delas. No início, um homem deve simplesmente compreender que não tem nenhuma necessidade de permanecer escravo de mil pequenas leis fastidiosas, que outros homens
    criaram para ele ou que ele criou para si mesmo. Mas, se tentar libertar-se delas, verá que não pode. Se fizer longos e persistentes esforços nessa direção, eles não tardarão
    a convencê-lo de sua escravidão. Essas leis que mantêm o homem sob sua sujeição só podem ser estudadas lutando-se contras elas, esforçando-se por libertar-se delas.
    É necessário, porém, um grande conhecimento para conseguir libertar-se de uma lei, sem criar outra em seu lugar.
    “As ordens de leis e suas forças variam de conformidade com o ponto de vista do qual consideramos o raio de criação.
    “Em nosso sistema, o término do “raio de criação”, o broto do ramo, por assim dizer, é a Lua.
    “A energia necessária ao crescimento da Lua, isto é, ao seu desenvolvimento e à formação de novos brotos, lhe chega da Terra, onde é criada pela ação conjunta do Sol, de todos
    os outros planetas do sistema solar e da própria Terra. Essa energia é recolhida e conservada num gigantesco acumulador, situado na superfície da Terra. Este acumulador é
    a vida orgânica sobre a Terra. A vida orgânica alimenta a Lua. Tudo o que vive na superfície da Terra, os homens, os animais, as plantas, servem de alimento à Lua. A Lua é
    um gigantesco ser vivo que se alimenta de tudo o que respira e de tudo o que brota sobre a Terra. A Lua não poderia existir sem a vida orgânica sobre a Terra, do mesmo modo
    que a vida orgânica sobre a Terra não poderia existir sem a Lua. Além disso, a Lua, em sua relação com a vida orgânica sobre a Terra, é um enorme eletroímã. Se a ação do eletroímã
    viesse a se interromper, a vida orgânica imediatamente se reduziria a nada.
    “O processo de aquecimento e crescimento da Lua está em íntima conexão com a vida e a morte sobre a Terra. Todos os seres vivos liberam, no instante da morte, certa quantidade
    da energia que os animou; essa energia ou o conjunto das “almas” de todos os seres vivos: plantas, animais, homens — é atraída para a Lua como por um eletroímã colossal e
    leva-lhe o calor e a vida de que depende seu crescimento, isto é, o crescimento do raio de criação. Na economia do universo, nada jamais se perde e, quando uma energia terminou
    seu trabalho num plano, passa a outro.
    “As almas que vão para a Lua, possuindo talvez certa soma de consciência e de memória, se encontram ali submetidas a 96 leis, em condições de vida mineral ou, noutros termos,
    em condições tais que não há mais salvação possível para elas fora de urna evolução geral, dentro de ciclos de tempo incomensuravelmente longos. A Lua está “na extremidade”,
    no término do mundo; ela é essa “treva exterior” da doutrina cristã, onde haverá choros e ranger de dentes.
    “A influência da Lua sobre todos os seres vivos se manifesta em tudo o que acontece sobre a Terra. A Lua é a força dominante ou, mais exatamente, a força motriz mais próxima,
    a mais imediata, de tudo o que se produz na vida orgânica sobre a Terra. Todos os movimentos, todas as ações e manifestações dos homens, dos animais e das plantas dependem
    da Lua e são comandados por ela. A fina película sensível de vida orgânica que recobre o globo terrestre é inteiramente dependente da influência desse formidável eletroímã
    que suga sua vitalidade. O homem, como qualquer outro ser vivo, não pode, nas condições normais da vida, libertar-se da Lua. Todos os seus movimentos e todas as suas ações,
    por conseguinte, são comandados pela Lua. Se mata um homem, é a Lua que o faz; se ele se sacrifica pelos outros, é ainda a Lua. Todas as más ações, todos os crimes, todos
    os sacrifícios, todos os feitos heróicos, bem como os mínimos fatos e gestos da vida ordinária, tudo isso é comandado pela Lua.
    “A liberação, que vem com o crescimento dos poderes e das faculdades mentais, é uma libertação do jugo da Lua. A parte mecânica de nossa vida depende da Lua, está sujeita
    à Lua. Mas se desenvolvermos em nós mesmos a consciência e a vontade e, se sujeitarmos a elas toda a nossa vida mecânica, todas as nossas manifestações mecânicas, escaparemos
    ao poder da Lua.
    “Outra idéia que nos é necessário assimilar é a idéia da materialidade do universo, considerado na perspectiva do “raio de criação”. Tudo, nesse universo, pode ser pesado
    e medido. O próprio Absoluto não é menos material, menos ponderável e mensurável que a Lua ou o homem. Se o Absoluto é Deus, isto significa que Deus pode ser pesado e medido,
    decomposto em seus elementos constituintes,
    “calculado” e posto em fórmula.
    “Mas o conceito de “materialidade” é tão relativo quanto qualquer outro. Se nos lembrarmos de como o conceito de “homem” e de tudo o que com ele se relaciona: bem, mal, verdade,
    mentira, etc., está dividido em diferentes categorias (homem nº 1, homem nº 2, etc.), nos será fácil compreender que o conceito de “mundo” e tudo o que com ele se relaciona
    está também dividido em diferentes categorias.
    O raio de criação estabelece sete planos no mundo, sete mundos um dentro do outro. Tudo o que se relaciona com o mundo também está dividido em sete categorias, uma dentro
    da outra. A materialidade do Absoluto é uma materialidade de ordem diferente da de “Todos os Mundos”. A materialidade de “Todos os Mundos” é de ordem diferente da de “Todos
    os Sóis”. A materialidade de
    “Todos os Sóis” é de ordem diferente da do nosso Sol. A materialidade do nosso Sol é de ordem diferente da de “Todos os Planetas”. A materialidade de “Todos os Planetas” é
    de ordem diferente da da Terra e a materialidade da Terra é de ordem diferente da Lua. Essa idéia, à primeira vista, é difícil de captar. As pessoas estão acostumadas a pensar
    que a matéria é a mesma em toda a parte. A física, a astrofísica, a química, métodos tais como a análise espectral, etc., se baseiam todos nessa assertiva.
    E é verdade que a matéria é sempre a mesma, mas a materialidade é diferente.
    E os diferentes graus de materialidade dependem diretamente das qualidades e propriedades da energia manifestada num ponto dado.
    “A matéria, ou a substância, pressupõe necessariamente a existência da força ou da energia. Isso não significa absolutamente que seja preciso adotar uma concepção dualista
    do universo. Os conceitos de matéria e de força são tão relativos quanto qualquer outra coisa. No Absoluto, onde tudo é um, a matéria e a força também são um. Mas, no caso,
    a matéria e a força não são tomadas como princípios reais do mundo em si, mas como propriedades ou caracteres do mundo dos fenômenos que observamos. Para empreender o estudo
    do universo, é suficiente ter urna idéia elementar da matéria e da energia, tal como nos é dada pelas observações imediatas através dos nossos órgãos dos sentidos.
    O que é “permanente” é considerado material, matéria, e as “mudanças” que intervêm no estado do que é permanente ou da matéria, são chamadas manifestações de força ou de energia.
    Todas essas mudanças podem ser consideradas a resultante de vibrações ou movimentos ondulatórios que partem do centro, isto é, do Absoluto e vão em todas as direções, entrecruzando-se,
    entrando em colisão ou fundindo-se uns com os outros, até o fim do raio de criação onde todos eles se detêm.
    “Deste ponto de vista, pois, o mundo é feito de movimentos ondulatórios ou de vibrações e de matéria ou de matéria em estado de vibrações, de matéria vibratória. A velocidade
    das vibrações está na razão inversa da densidade da matéria.
    “É no Absoluto que as vibrações são mais rápidas e a matéria menos densa. No mundo imediatamente consecutivo, as vibrações são mais lentas e a matéria mais densa; além dele,
    a matéria é ainda mais densa e as vibrações mais lentas.
    “A “matéria” pode ser considerada constituída de “átomos”. Os átomos são tomados aqui como o resultado da divisão final da matéria. Em qualquer ordem de matéria, eles podem
    ser considerados simplesmente partículas infinitesimais da matéria dada, indivisíveis apenas no plano dado. Só os átomos do Absoluto são realmente indivisíveis. O átomo do
    plano seguinte, isto é, do mundo 3, é constituído de 3 átomos do Absoluto, noutros termos, é três vezes maior e três vezes mais pesado e seus movimentos são de lentidão correspondente.
    O átomo do mundo 6 é constituído de 6 átomos do Absoluto, fundidos juntos de certo modo e formando um só átomo. Seus movimentos são também de lentidão correspondente. O átomo
    do mundo seguinte é constituído de 12 partículas primordiais e os dos mundos seguintes, de 24, de 48 e de 96. O átomo do mundo 96 é de tamanho enorme em comparação com o átomo
    do mundo 1; seus movimentos são também de lentidão correspondente e a matéria constituída por tais átomos é, ela própria, mais densa.
    “Os sete mundos do raio de criação representam sete ordens de materialidade. A materialidade da Lua é diferente da da Terra; a materialidade da Terra é diferente da do mundo
    planetário; a materialidade do mundo planetário é diferente da do Sol, etc.
    “Assim, em vez de um só conceito de matéria, temos sete espécies de matérias, mas nossa concepção ordinária da materialidade só abrange a materialidade dos mundos 96 e 48
    e, ainda assim, com dificuldade.
    “A matéria do mundo 24 é rarefeita demais para ser considerada matéria do ponto de vista científico de nossa física e de nossa química; uma matéria como essa é praticamente
    hipotética. A matéria ainda mais fina do mundo 12 não possui mais, para a investigação ordinária, nenhum caráter de materialidade. Todas essas matérias pertencentes a ordens
    variadas do universo não estão dispostas em camadas separadas, mas se mesclam, ou melhor, se interpenetram umas às outras. Podemos fazer idéia de tal interpenetração das matérias
    de diferentes densidades, partindo da experiência que podemos ter da penetração de uma matéria conhecida nossa por outra igualmente conhecida. Um pedaço de madeira pode estar
    saturado de água, esta água pode, por sua vez, conter gases. Pode-se observar exatamente a mesma relação entre espécies diferentes de matérias em todo o universo; as matérias
    mais finas penetram as matérias mais grosseiras.
    “A matéria com as características da materialidade que nos é compreensível divide-se, para nós, segundo sua densidade, em diferentes estados: sólido, líquido, gasoso e comporta,
    além disso, gradações tais como: energia radiante ou eletricidade, luz, magnetismo e assim por diante. Em cada plano, isto é, em cada ordem de materialidade, podem-se encontrar
    relações e divisões análogas entre os diferentes estados de uma matéria dada: mas, como já disse, a matéria de um plano superior não é, em absoluto, material para os planos
    inferiores.
    “Toda a matéria do mundo que nos rodeia, o alimento que comemos, a água que bebemos, o ar que respiramos, as pedras de que são construídas as nossas casas, nossos próprios
    corpos — cada coisa é atravessada por todas as matérias que existem no universo. Não é necessário estudar cientificamente o Sol para descobrir a matéria do mundo solar; essa
    matéria existe em nós mesmos, é o resultado da divisão de nossos átomos. Do mesmo modo, temos em nós a matéria de todos os outros mundos. O
    homem é, no sentido pleno dessa palavra, um “universo em miniatura”. Todas as matérias de que é constituído o universo estão nele. As mesmas forças, as mesmas leis que governam
    a vida do universo, agem nele. É por isso que, ao estudar o homem, podemos estudar o universo inteiro, exatamente do mesmo modo que, estudando o mundo, podemos estudar o homem.
    “Mas o único homem que pode realmente ser posto em paralelo com o mundo é o homem em toda a acepção desse termo, isto é, o homem total, no qual os poderes interiores foram
    completamente desenvolvidos. Um homem não desenvolvido, um homem que ainda não alcançou o termo de sua evolução, não pode ser considerado urna imagem integral ou perfeita
    do universo — é um mundo inacabado.
    “Repetindo: o estudo de si deve seguir lado a lado com o estudo das leis fundamentais do universo.
    As leis são as mesmas em toda parte e em todos os planos. Mas as leis idênticas que se manifestam nos diferentes mundos, isto é, em condições diferentes, produzem fenômenos
    diferentes. O estudo da relação entre as leis e os planos nos quais elas se manifestam leva-nos ao estudo da relatividade.
    “A idéia da relatividade ocupa lugar muito importante neste ensinamento e, mais tarde, voltaremos a ela. Mas, antes de tudo, é necessário compreender a relatividade de cada
    coisa e de cada manifestação, segundo seu lugar na ordem cósmica.
    “Estamos sobre a Terra e dependemos inteiramente das leis que operam no seu nível. A Terra ocupa um lugar muito mal, de um ponto de vista cósmico; ela é comparável às regiões
    mais remotas da Sibéria gelada, está longe de tudo, é fria e a vida nela é muito dura. Tudo o que noutros lugares vem espontaneamente ou se obtém sem esforços só pode ser
    adquirido sobre a Terra por um trabalho duro; tudo deve ser conquistado, tanto na vida de cada dia como no trabalho sobre si. Acontece às vezes, na vida, que um homem recebe
    uma herança e vive, em seguida, sem fazer nada. Mas, no trabalho, isto jamais acontece. Aqui todos são iguais e todos são igualmente mendigos.
    “Voltemos à Lei de Três. É necessário aprender a reconhecer suas manifestações em tudo que fazemos e em tudo que estudamos. Não importa em que domínio, a aplicação dessa lei
    nos revelará imediatamente muitas coisas novas, de que nunca tínhamos suspeitado antes. Tomem a química, por exemplo. A ciência ordinária nada sabe da Lei de Três e estuda
    a matéria sem levar em consideração suas propriedades cósmicas. Mas, ao lado da química ordinária, há uma outra, uma química especial ou uma alquimia, se quiserem, que estuda
    a matéria levando em consideração suas propriedades cósmicas. Como já foi dito anteriormente, as propriedades cósmicas de cada substância são determinadas, primeiramente,
    por seu lugar; em seguida, pela força que age através dela no momento dado. Mas, independentemente de seu lugar, uma dada substância sofre grandes mudanças em sua própria
    natureza, segundo a força que se manifesta através dela. Cada substância pode ser condutora de uma ou de outra das três forças e, em conseqüência, pode ser ativa, passiva
    ou neutralizante. E
    pode não ser nem ativa, nem passiva, nem neutralizante, se não houver força que se manifeste através dela no momento dado ou, então, se for encarada independentemente de sua
    relação com a manifestação das forças. Assim, cada substância aparece, de certo modo, sob quatro aspectos ou estados diferentes. E em relação a isto, deve-se notar que, quando
    falamos de matéria, não estamos falando dos elementos químicos. A química especial de que falo considera cada substância que tem uma função separada, mesmo a mais complexa,
    um elemento. Somente assim é possível estudar as propriedades cósmicas da matéria, porque todos os compostos complexos têm sua própria significação ou sua própria finalidade
    cósmica. Desse ponto de vista, um átomo de uma substancia dada é a menor quantidade dessa substância que retém todas as suas propriedades químicas, físicas e cósmicas. Em
    conseqüência, o tamanho do “átomo” das diferentes substâncias não é o mesmo. E, em certos casos, um “átomo” pode ser uma partícula visível mesmo a olho nu.
    “Os quatro aspectos ou estados de qualquer substância têm nomes definidos.
    “Quando uma substância é condutora da primeira força, isto é, da força ativa, é denominada
    “Carbono” e, como o carbono da química, é designada pela letra C.
    “Quando uma substância é condutora da segunda força ou força passiva, é denominada “Oxigênio” e, como o oxigênio da química, é designada pela letra O.
    “Quando uma substância é condutora da terceira força ou da força neutralizante, é denominada
    “Nitrogênio” e, como o nitrogênio da química, é designada pela letra N.
    “Quando uma substância é encarada fora de sua relação com a força que se manifesta através dela, é chamada “Hidrogênio” e, como o hidrogênio da química, é designada pela letra
    H.
    “As forças ativa, passiva e neutralizante são designadas pelos números 1, 2 e 3 e as substâncias, pelas letras C, O, N e H. Essas designações devem ser compreendidas.

    Será que esses quatro elementos correspondem aos quatro antigos elementos da alquimia, o fogo, a água, o ar, a terra? Perguntou um de nós.

    Sim, correspondem a eles, disse G., mas não levaremos isso em conta. Mais tarde, compreenderão por que.”
    O que eu ouvira interessava-me muito, porque punha o sistema de G. em relação com o do Tarô, que me parecera, num dado momento, uma possível chave do conhecimento oculto.
    Ademais, isto me mostrava uma relação de três a quatro, nova para mim, e que não fora capaz de compreender quando estudava o Tarô. O Tarô baseia-se nitidamente na lei dos
    quatro princípios. Até então G. só falara na lei dos três princípios. Mas eu via agora como três passava a quatro e compreendia a necessidade dessa divisão, visto que a divisão
    da força e da matéria é evidente para a observação imediata. “Três”
    relaciona-se à força e “Quatro” à matéria. Naturalmente havia um sentido mais profundo que permanecia ainda obscuro para mim; entretanto, as poucas indicações dadas por G.
    prometiam muito para o futuro.
    Acrescentarei que estava muito interessado pelos nomes dos elementos: “Carbono”, “Oxigênio”,
    “Nitrogênio” e “Hidrogênio”. Devo observar aqui que G., embora tivesse positivamente prometido nos explicar por que esses nomes tinham sido escolhidos em vez de outros, nunca
    o fez. Mais tarde voltarei, ainda urna vez, a essas denominações. Os esforços que fiz para estabelecer sua origem fizeram-me compreender muitos aspectos do sistema de G.,
    assim como de sua história.
    Durante uma reunião para a qual fora convidado número bastante grande de pessoas que ainda não tinham ouvido G., foi feita esta pergunta: “O homem é imortal ou não?”
    — Tentarei responder a essa pergunta, disse G., mas aviso que isto não pode ser feito de modo plenamente satisfatório com os elementos que a ciência e a linguagem ordinárias
    põem a nossa disposição.
    “Você pergunta se o homem é imortal ou não.
    “Eu responderei ao mesmo tempo sim e não.
    “Esta questão tem numerosos aspectos. Primeiro, que significa imortal? Você fala da imortalidade absoluta ou admite diferentes graus? Se, por exemplo, depois da morte do corpo
    subsiste alguma coisa que vive um certo tempo ainda, conservando sua consciência, pode isso ser chamado imortalidade ou não? Noutros termos, quanto tempo, na sua opinião,
    deve durar tal existência para ser chamada imortalidade? Isso não implica então a possibilidade de uma imortalidade “diferente” conforme os homens? E tantas outras perguntas.
    Só digo isso com o propósito de mostrar quão vagas são palavras tais como “imortalidade” e como podem facilmente nos iludir. De fato, nada é imortal; até Deus é mortal. Mas
    é grande a diferença entre Deus e o homem e, naturalmente, Deus é mortal de outro modo que o homem. Seria muito preferível substituir a palavra “imortalidade” pelas palavras
    ” existência depois da morte”. Responderei então que o homem tem a possibilidade de uma existência após a morte. Mas a possibilidade é uma coisa e a realização da possibilidade
    é outra.
    “Examinemos, agora, de que depende essa possibilidade e o que significa sua realização.”
    G. repetiu, em poucas palavras, tudo o que já fora dito sobre a estrutura do homem e do mundo.
    Reproduziu o esquema do raio de criação ( página 103) e os dos quatro corpos do homem ( página 58).
    Mas, a respeito dos corpos do homem, introduziu um detalhe que não dera antes. Recorreu, ainda urna vez, à comparação oriental do homem com uma carruagem, um cavalo, um cocheiro
    e um amo e, retomando o esquema, acrescentou:
    — O homem é uma organização complexa. É formado de quatro partes que podem estar ligadas, não ligadas ou mal ligadas. A carruagem está ligada ao cavalo pelos varais, o cavalo
    ao cocheiro pelas rédeas e o cocheiro a seu amo pela voz de seu amo. Mas o cocheiro deve ouvir e compreender a voz do amo, deve saber como conduzir; e o cavalo deve ser treinado
    para obedecer às rédeas. Quanto à relação entre o cavalo e a carruagem, ele deve estar corretamente atrelado. Assim, entre as quatro partes dessa complexa organização, existem
    três relações, três ligações ( ver figura a página 115). Se uma só delas apresentar qualquer defeito, o conjunto não poderá se comportar como um todo. Portanto, as ligações
    não são menos importantes do que os “corpos”. Trabalhando sobre si mesmo, o homem trabalha simultaneamente sobre os “corpos” e as “ligações”. Mas trata-se aí de duas espécies
    de trabalho.
    “O trabalho sobre si deve começar pelo cocheiro. O cocheiro é o intelecto. A fim de poder ouvir a voz do amo, o cocheiro, antes de tudo, não deve estar adormecido, deve se
    despertar. Em seguida, pode acontecer que o amo fale urna língua que o cocheiro não compreenda. O cocheiro deve aprender essa língua. Quando a souber, compreenderá seu amo.
    Mas isso não basta; ele deve também aprender a conduzir, a atrelar e a alimentar o cavalo, a cuidar dele e a conservar bem a carruagem, porque de nada serviria compreender
    seu amo, se não estivesse em condições de fazer o que quer que fosse. O
    amo dá a ordem de partida. Mas o cocheiro é incapaz de arrancar porque o cavalo não foi alimentado, não foi atrelado e o cocheiro não sabe onde estão as rédeas. O cavalo são
    as emoções. A carruagem é o corpo. O intelecto deve aprender a comandar as emoções. As emoções arrastam sempre o corpo atrás delas. É nessa ordem que o trabalho sobre si deve
    ser conduzido. Mas, notem bem: o trabalho sobre os “corpos”, isto é, sobre o cocheiro, o cavalo e a carruagem, é uma coisa. E o trabalho sobre as “ligações”, isto é, sobre
    a “compreensão do cocheiro” que o une a seu amo, sobre as “rédeas” que o ligam ao cavalo, sobre os “varais” e os “arreios” que ligam a carruagem ao cavalo — é coisa totalmente
    diferente.

    Liked by 1 person

    1. “Em nosso mundo, isto é, sobre a Terra, estamos sujeitos a quarenta e oito ordens de leis, que governam toda a nossa vida. Se vivêssemos na Lua, estaríamos sujeitos a noventa e seis ordens de leis, isto é, nossa vida e nossa atividade seriam ainda mais mecânicas e não teríamos as possibilidades que temos agora de escapar à mecanicidade.”

      96 leis corresponde precisamente com o tempo de 1 dia, 24 horas x as 4 faces do cubo (Terra) = 96 horas. Essas leis é o tempo e o fluxo do dinheiro está sob a influência dessas leis temporais porque a lua exerce poder magnético sobre as águas e dinheiro é água em movimento, é energia em movimento. Por isso é que as elites têm todo o dinheiro que quiserem só com base neste conhecimento de como manipular os elementos com o magnetismo para controlar o tempo e atrair dinheiro.

      O que eles fazem é muito simples, eles prendem-nos com leis (sistemas temporais e alfabetizados artificiais) dentro de um círculo fechado numa das faces do cubo, uma espécie de quadratura do círculo, o espírito (círculo) aprisionado dentro do quadrado (1 face do cubo) com um tempo de 24 horas diário, tudo anda à volta das 24 horas (1 face do cubo), 6 dias semanais (6 faces do cubo), e 12 meses (12 arestas do cubo), é uma linha temporal, é um tempo linear (anti-natura) porque eles medem os dias como tendo 24 horas e isso é errado porque o sol nasce em 4 partes da Terra (ou 6 contando com os pólos) durante um dia, 24 horas corresponde ao período do tempo entre o nascer e o põr do sol numa das faces da Terra porque o pôr do sol de um lado é o nascer do sol do outro lado do cubo (Terra), portanto 24 horas é o período entre o nascer e pôr do sol de um lado do cubo que faz com que um dia tenha 24 horas x 4 faces da Terra e não 24 horas apenas, um dia tem 96 horas sem contarmos com os pólos porque se contarmos com os pólos tem 24 horas x 6 faces do cubo que totaliza as 144 horas.

      Properties of the number 144
      In the number 144, according to Fathers of the Church, the hundred expresses the Unit of the divine world (the Unit of God) 4 of the ten, the stability of the angelic world, 4 of the Unit, the eternal stability of the Holy City, whose form is precisely a cube.

      Number of cubit that measures the rampart of the celestial Jerusalem. (Rv 21,17)

      https://www.ridingthebeast.com/numbers/nu144.php

      E como um mês tem 28 dias e 1 ano tem 13 meses de 28 dias (ciclos lunares) que totalizam os 364 dias por ano, e como um dia tem 96 horas ou 144 horas, se formos corrigir os calendários com base nisto nós ainda não passamos do ano 500. E se contarmos com ambos os ciclos, solares e lunares, ainda não passamos do ano de 1500 e nesse sentido os Muçulmanos e o Calendário Islâmico não estão muito longe da verdade em considerar o ano actual como 1441 e em representar as dimensões da Terra como um cubo (Kaaba).

      “Além disso, a Lua, em sua relação com a vida orgânica sobre a Terra, é um enorme eletroímã. Se a ação do eletroímã viesse a se interromper, a vida orgânica imediatamente se reduziria a nada.”

      Então não estou assim muito longe da verdade, eu acho que o sistema solar é todo ao contrário, a esfera mais densa é a lua porque está relacionada com os metais e por isso é que é um enorme magneto, é o elemento metal e um transducer que converte as diferentes formas de energia e de matéria que esse livro refere, e todos os restantes astros andam à volta da lua, têm órbitas à volta da lua, é ao contrário, a posição dos astros é ao contrário, eles subverteram tudo. Parte do absoluto e acaba na Terra e na Lua, espirais dentro de espirais e no centro está ou a lua ou a terra, ou ambos.

      “A Lua está “na extremidade”, no término do mundo;

      Então o sistema solar é ao contrário, o posicionamento dos astros está invertido!

      “a matéria de um plano superior não é, em absoluto, material para os planos inferiores.”

      Ele está em contradição! Repara: “as matérias mais finas [plano superior] penetram as matérias mais grosseira. [planos inferiores]”

      “De fato, nada é imortal; até Deus é mortal. Mas é grande a diferença entre Deus e o homem e, naturalmente, Deus é mortal de outro modo que o homem.”

      Isso não é verdade! O Espírito é Eterno! A morte não existe! É apenas a passagem para um outro estado, para um outro plano! O que a singularidade cibernética quer fazer é separar os corpos do Espírito para matar o ser-humano em nome de uma falsa imortalidade porque um corpo separado do Espírito morre! Deixa de ser animado e regenerado pelo Espírito, deixa de nascer a cada momento, desconecta-se dos outros corpos espirituais, e estagna, torna-se num autómato, um morto-vivo, um zombie, o escravo perfeito das elites!

      Gostar

  2. hahahaha, tens a cabaça cheia de lixo ou a vinhaça deixou-te com panca permanente.

    “O heliocentrismo é uma fraude das autoridades religiosas e civis que nos controlam com um tempo falso calendarizado e cronometrado com base num falso posicionamento e falso movimento dos astros! ” no julio de matos terás a verdade suprema dos teus delirios…..

    Gostar

  3. Spyvspy ele nao ta errado em questao heliocentrismo e tudo mentira. Nao suporto tudo o que ele diz neste artigo. Mas nao a razao para ofender pessoas com ideias diferentes.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.