As prisões foram inventadas para usar os presos como cobaias da indústria judicial-militar-médico-farmacêutica!

Hoje vou-vos revelar porque razão uma grande parte dos assassinos em série ou eram médicos ou estavam de alguma forma ligados à medicina convencional! Jack the Ripper, Thomas Cream, Morris Bolber, Shiro Ishii, Josef Mengele, Harold Shipman, Richard Angelo, Arnfinn Nesset, estes são apenas alguns serial killers todos eles ligados à medicina! Este assunto é muito importante! Sabem porque razão Portugal não quer seguir o modelo Holandês e reduzir cada vez mais as prisões? Porque quem manda em Portugal é o complexo militar-judicial-químico-médico-farmacêutico que necessitam de muitos presos e doentes para servirem de cobaias! Por isso é que as prisões em Portugal estão cheias de pobres e de pequenos delitos enquanto que os grandes criminosos e corruptos estão cá fora! Essas bestas necessitam de cobaias para testarem fármacos e tratamentos!

Continue reading “As prisões foram inventadas para usar os presos como cobaias da indústria judicial-militar-médico-farmacêutica!”

Portugal não quer legalizar a Canábis porque é um país corrupto e criminoso que depende de doentes e presos para continuar a enriquecer as máfias médicas, militares, políticas e judiciais em Portugal!

Enquanto a maioria dos países do mundo enfrenta problemas de sobrelotação no sistema prisional, a Holanda vive a situação oposta: gente a menos para prender! Nos últimos anos, 19 prisões foram fechadas e mais deverão ser desactivadas em 2017, obedecendo a um decréscimo agudo da população prisioneira! Em Portugal o cenário é exactamente o oposto! Aqueles que deviam estar presos estão nos templos satânicos, na Assembleia da República e nos Hospitais a destruir a vida da espécie Humana, e aqueles que deviam estar cá fora a fumar canábis e a viver em Paz, estão presos!

Continue reading “Portugal não quer legalizar a Canábis porque é um país corrupto e criminoso que depende de doentes e presos para continuar a enriquecer as máfias médicas, militares, políticas e judiciais em Portugal!”